A angústia de ver aproximar os 18 anos de idade num abrigo

Por Mariana Abuchain

Atualmente, o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA) conta com 32.791 crianças e adolescentes em acolhimento institucional. Para quem não sabe,  este tipo de acolhimento acontece quando crianças e adolescentes – que sofreram maus tratos, abandono ou impossibilidade momentânea de cuidado e proteção por sua família – são recebidos em abrigos, como é o caso da história que você conhecerá agora. 

O jovem “Carlos” (nome fictício), de 17 anos, encontrou na adoção uma oportunidade de mudar a sua realidade, reacendendo a esperança de um futuro mais promissor e menos sofrido. Depois de passar por um período de instabilidade, em casas de parentes e conhecidos, encontrou acolhimento no abrigo Casa de Ismael desde 2018.. 

O rapaz, de traços marcantes e voz em fase de transição, passou por muitas casas antes de se estabilizar no abrigo. Chegou a morar com a irmã, a avó, a tia e até com a madrinha do irmão, sempre por períodos curtos. 

Depois de alguns anos sem contato com a mãe, ele e seus cinco irmãos foram morar com ela e o padrasto. Numa rotina de brigas, sentia-se, com frequência, desrespeitado e agredido, física e psicologicamente. 

No colégio, passou a ser observado por professores, que sentiam algo diferente. Sua tristeza era perceptível, assim como as marcas de agressão. Por medo, “Carlos” calava-se. Tinha pavor de que, ao dar publicidade a seu sofrimento, piorasse a realidade. 

Em um dia muito marcante, que mudou significativamente a sua vida, ele foi à escola, cabisbaixo, e sua professora de Ciência perguntou o que havia ocorrido. Poucas horas antes, ele havia sofrido ameaças e agressões físicas e acabou revelando, muito emocionado, o seu drama para a docente. 

Sensibilizados com a situação, alguns professores da escola se juntaram, alugaram uma casa para o adolescente e o ajudaram a se manter com alimentos básicos, por alguns meses.   

A partir daí, “Carlos” passou a viver melhor até o dia em que sua genitora descobriu onde ele estava e passou a ameaçá-lo, de novo. Seus amigos, na intenção de apoia-lo, acabaram chamando Conselho Tutelar, que o direcionou para o abrigo Casa de Ismael, em novembro de 2018, quando ele ainda tinha 15 anos. 

Sua vida mudou radicalmente para melhor a partir do momento em que passou a ser acolhido. “Tive oportunidades de conhecer pessoas maravilhosas que me incentivaram a me aperfeiçoar”, conta.  

Mas nem tudo foram “flores”, na visão de “Carlos”. A vida no abrigo, segundo ele, não é fácil. No acolhimento, a rotatividade é grande, sem contar que há adolescentes com histórico de violência, abuso e drogas. “Muitos não têm esperança de um futuro melhor com a saída do abrigo. Quando  completa 18 anos, a grande maioria acaba entrando em situação de rua, por não ter um suporte e acompanhamento após esse período”, lamenta. 

Esta angústia tem sido uma constante para “Carlos”, haja vista que a idade máxima também se aproxima para ele. “Tudo parece incerto pra mim, a partir de agora, e vejo muitos de meus colegas na mesma situação”, relata. 

Mas a esperança de dias melhores segue viva dentro dele, que tem o objetivo de se profissionalizar, passar em um concurso ou seguir carreira militar, meta para a qual ele tem se dedicando muito. 

 “Sempre falo que por mais que exista gente ruim, também sempre haverá pessoas boas, que irão nos acompanhar e que farão diferença em nossas vidas”, diz, lembrando que o segredo é viver um dia de cada vez e buscar fazer o que está a seu alcance para construir o futuro que um dia ele sonhou ser protagonista. 

É isso aí, “Carlos”! Estamos aqui, na torcida! 

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO – GRUPO ACONCHEGO
Proativa Comunicação
Contatos: Flávio Resende (61 99216-9188) / Aline Ramos (61 98109-1265)
Tel.: 61 3246-4436
E-mail:proativa@proativacomunicacao.com.br
Facebook/Instagram/Twitter: @ProativaC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *